30.5 C
Manaus
6 de julho de 2020
Portal Amazonas Digital

Para CPI da Saúde houve demora e má gestão nas ações contra a Covid-19 no AM

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde confirmou, na manhã desta sexta-feira (26), que houve morosidade na implementação de ações de combate à Covid-19 no Amazonas pela Secretaria de Estado de Saúde (Susam). De acordo depoimento do ex-secretário executivo, João Paulo Marques, a pasta do executivo já tinha planejamento desde os meses de janeiro e fevereiro.

“Hoje confirmamos o que já tínhamos notado: houve demora e má gestão do que diz respeito à ações durante a pandemia no Amazonas. Desde janeiro já estavam cientes do que devia ser feito, afirmam que havia planejamento e apenas em abril, no ápice da pandemia, foram adquirir respiradores que nem ao menos atendiam a urgência do momento vivido pela população”, afirmou o presidente da CPI, o deputado estadual Delegado Péricles (PSL).

Durante a reunião, os membros titulares pediram esclarecimentos do depoente no sentido de esclarecer de onde partiu a determinação de optar por processos indenizatórios. “Hoje ouvimos que o próprio senhor João Paulo é contra essa forma de pagamento, mas não citou nomes. No entanto, ficou claro durante depoimento dele um posicionamento errôneo adotado pela Susam ao encarar mapa comparativo de preços como suficiente para determinar o vencedor de um processo licitatório. Nunca será. É apenas um dos passos até chegar a essa conclusão. Ficou claro que ele teve papel de comando em toda alteração realizada no processo da compra de respiradores, estando ele em andamento”, continuou o parlamentar.

O tempo de tramitação dos processos por dispensa de licitação também foi questionado pelos parlamentares da CPI durante reunião nesta sexta-feira. Desde a primeira inspeção, os titulares da comissão demonstraram insatisfação com o prazo de 60 dias para a conclusão desses procedimentos.

“Quanto à isso, o senhor João Paulo afirmou que a Susam demorava até 90 dias para concluir um processo por dispensa de licitação. Quando ele assumiu, conseguiu reduzir para 45 dias. Mais uma confirmação de que a celeridade necessária para o momento de pandemia não foi adotada. Falha grave de má gestão”, disse.

A próxima reunião para coleta de depoimentos será na próxima segunda-feira (29). Os depoentes serão o senhor Perseverando da Trindade Garcia Filho, ex-Secretário Executivo do Fundo Estadual de Saúde da Susam; e o ex-secretário de estado da saúde, Rodrigo Tobias.